Home Artigos Não existe um “modelo ND ###”

Não existe um “modelo ND ###”

Nível de Desenvolvimento dos componentes do modelo

ND = Geometria + Informações

O Nível de Desenvolvimento (ND) é o grau em que a geometria do elemento e as informações anexadas foram pensadas de forma progressiva – o grau em que os membros da equipe do projeto podem confiar nas informações ao usar o modelo.
O ND às vezes é interpretado como Nível de Detalhe, no lugar de Nível de Desenvolvimento. Existem diferenças importantes.
O Nível de Detalhe é essencialmente a quantidade de detalhes incluída no elemento do modelo.
Em essência, o Nível de Detalhe pode ser considerado como entrada para o elemento, enquanto o Nível de Desenvolvimento é uma saída confiável.
O BIM Forum (2018) define a escala progressiva do ND da seguinte maneira:
• ND 100: Os elementos do ND 100 não são representações geométricas. Eles podem ser símbolos ou outras representações genéricas de informações que podem ser derivadas de outros elementos do modelo. Qualquer informação derivada dos elementos do ND 100 deve ser considerada aproximada.
• ND 200: os elementos com ND 200 são representados graficamente, mas são modelos genéricos. Qualquer informação derivada dos elementos do ND 200 deve ser considerada aproximada.
• ND 300: os elementos com ND 300 são representados graficamente como sistemas, objetos ou conjuntos específicos, a partir dos quais a quantidade, a forma, o tamanho, a localização e a orientação podem ser medidas diretamente, sem precisar se referir a informações não modeladas, como anotações ou cotas.
• ND 350: os elementos com ND 350 são mais aprimorados que o do ND 300 pela adição de informações sobre interfaces com outros sistemas de construção. São modeladas as partes necessárias para a coordenação do elemento com elementos próximos ou conectados. Essas partes incluirão itens como suporte e conexões. A quantidade, o tamanho, a forma, a localização e a orientação do elemento, conforme projetado, podem ser medidos diretamente do modelo sem se referir a informações não modeladas, como anotações ou cotas.
• ND 400: os elementos com ND 400 são modelados com detalhes e precisão suficientes para a fabricação do componente representado.
A figura 1 ilustra a progressão do ND para uma viga de concreto pré-moldado

ND BIM

Figura 1: progressão do ND em uma viga de concreto pré-moldado (extraído de BIM Forum 2018)

Os NDs não são definidos por fases de projeto

O ND é característica de um elemento e não de um projeto, entretanto, a conclusão da fase de projeto, bem como qualquer outro marco ou entrega, pode ser definida através da linguagem do ND.
Existem várias razões importantes para essa abordagem:
1) Atualmente não há um padrão BIM normatizado para as fases de projeto. Muitos arquitetos criaram padrões internos, mas estes diferem de uma empresa para outra e, mesmo dentro de uma única empresa, os requisitos às vezes são ajustados às necessidades de um projeto.
2) Os sistemas construtivos progridem desde o conceito até a definição precisa em diferentes taxas, de modo que, a qualquer momento, diferentes elementos BIM estarão em diferentes pontos ao longo dessa progressão. Na conclusão da fase de Anteprojeto, por exemplo, o modelo incluirá muitos elementos em ND 300, mas também incluirá muitos em ND 200, bem como alguns em ND 400.

Não existe um “modelo ND ###”

Como observado anteriormente, os modelos de projeto em qualquer estágio de entrega invariavelmente conterão elementos e conjuntos em vários níveis de desenvolvimento. Por exemplo, não é lógico exigir um “modelo ND 200” na conclusão da fase de anteprojeto, pois, o modelo conterá elementos modelados em vários níveis de desenvolvimento.

Bibliografia
BIM FORUM Level of development specification part I. Julho 2018.

Sobre o autor

Leonardo Manzione – Engenheiro com Mestrado pela Escola Politécnica da USP  e Doutorado em BIM também pela Poli-USP. Ao longo de seus 38 anos de experiência profissional em engenharia civil, foi diretor de várias construtoras. Elaborou as especificações técnicas em IFC do Caderno BIM de Santa Catarina (primeiro BIM Mandate do Brasil publicado por um órgão público). É membro do grupo internacional de pesquisas “Building SMART Regulatory Interoperability Working Group” – que tem por objetivo desenvolver recomendações sobre as metodologias existentes para os aspectos regulatórios de edifícios – e do Comitê ABNT CEE/134, responsável pela elaboração da Norma BIM. Tem experiência comprovada em implantação de BIM como consultor de empresa e é pesquisador internacional com diversos artigos sobre BIM publicados em seminários internacionais, além de entrevistas e artigos publicados em revistas técnicas.

Ele pode ser contatado clicando aqui

Carregar mais artigos relacionados
Load More In Artigos
Comments are closed.

Leia também

Processo de projeto colaborativo: uma análise do fator humano

A ineficácia do processo de projeto de edificações aponta para a necessidade da evolução d…