Home Artigos Verificação das regras do Minha Casa Minha Vida com o Solibri – Parte I

Verificação das regras do Minha Casa Minha Vida com o Solibri – Parte I

Introdução

O BIM vem sendo cada vez mais utilizado nos projetos de edifícios no Brasil e em diversas partes do mundo. De acordo com Solihin e Eastman (2015), os usuários que superaram sua curva inicial de aprendizado estão percebendo melhor os potenciais da modelagem da informação do edifício a partir do emprego de uma ou mais plataformas BIM, as quais sustentam o desenvolvimento dos projetos, a construção, operação, manutenção e muitos outros processos.

A complexidade crescente dos edifícios trouxe como uma das consequências o aumento da dificuldade no desenvolvimento e na gestão do processo de projeto. Dele participam um grande número de agentes, cujos projetos exigem o atendimento à variados códigos: normas, códigos legais, códigos de edificações, etc., nos quais os requisitos demandados devem ser atendidos.

Os códigos são escritos em linguagem humana. Amplos e complexos, exigem compreensão e conhecimento substanciais pelos usuários, muitas vezes são mal estruturados, podem ser inconsistentes, redundantes e contraditórios e em última instância, dependem da interpretação dos funcionários públicos, do arquiteto e demais projetistas.

Racionalizar o processo regulatório dos edifícios pode reduzir drasticamente o tempo necessário a fim de obter o alvará de construção, aumentar o resultado para o investidor e a receita fiscal para o município. Ademais, a sistematização do processo de análise de códigos deve resultar na redução de erros ou decisões inconsistentes de projeto. Por esses motivos, a automatização da verificação dos códigos, onde regras bem definidas podem ser aplicadas automaticamente, com a mínima intervenção do usuário, se faz cada vez mais necessária, (NAWARI, 2012).

Eastman et al. (2009) definem a verificação automática de códigos como o ‘uso de um software que não modifica um projeto, mas que avalia esse projeto segundo a configuração dos seus objetos, suas relações e atributos’. Em sistemas baseados em regras, aplicam-se restrições ou condições para um projeto proposto, obtendo-se resultados como ‘passar’, ‘falha’, ‘aviso’ ou ‘desconhecido’.

Regras do programa Minha Casa Minha Vida

O programa Minha Casa Minha Vida é constituído por conjuntos de regras que precisam ser obedecidas. As regras estão em dois documentos em Excel e disponíveis no site do Ministério das Cidades.

Nesse artigo trataremos das especificações mínimas das unidades habitacionais.

A especificação é dividida em 19 seções:

  1. Dimensões dos cômodos
  2. Área útil
  3. Cobertura
  4. Paredes
  5. Paredes de geminação
  6. Revestimento interno e áreas comuns
  7. Revestimento externo
  8. Revestimento áreas molhadas
  9. Portas e ferragens
  10. Janelas
  11. Pisos
  12. Pinturas
  13. Louças e metais
  14. Instalações elétricas e telefônicas
  15. Diversos
  16. Tecnologias inovadoras
  17. Dispositivos economizadores de água
  18. Conforto térmico e eficiência energética
  19. Acessibilidade e adaptação

O pdf abaixo mostra detalhadamente todas essas especificações:

Especificações das unidades habitacionais

Trataremos nesse artigo somente do item 1: Dimensões dos cômodos.

Esse tópico deverá ser o primeiro a ser verificado, pois estabelece as dimensões mínimas dos cômodos e da unidade habitacional.

“Estas especificações não estabelecem área mínima de cômodos, deixando aos projetistas a competência de formatar os ambientes da habitação segundo o mobiliário previsto, evitando conflitos com legislações estaduais ou municipais que versam sobre dimensões mínimas dos ambientes, sendo porém obrigatório o atendimento à NBR 15.575”

Iremos desenvolver nos próximos artigos as outras 18 seções do programa. Caso a unidade habitacional não atenda a seção 1, dimensões dos cômodos, não existe sentido que sejam feitas as demais verificações

Escolha do modelo para simulação.

A partir de uma amostragem feita em sites de empresas construtoras e folhetos de venda de imóveis da categoria Faixa I do programa, foi escolhida uma planta de unidade bastante comum para essa tipologia. Visualize o modelo em 3D abaixo.

Metodologia

Em termos práticos, um sistema automático de verificação de códigos é uma comparação sistemática entre cada objeto ou sistema de um modelo BIM contra restrições padronizadas. O resultado é normalmente uma lista de objetos com não conformidades, (DIMYADI; AMOR, 2013). Eastman et al. (2009) formularam o processo, o qual entenderam ser necessário, com o objetivo de implementar um sistema de verificação de regras funcionalmente completo. Ele é desenvolvido em quatro fases, conforme a Figura 1. Utilizamos esse processo para os testes efetuados.

Solibri

Execução das regras utilizando o Solibri

O Solibri Model Checker é o único software comercial do mundo que permite a verificação de regras em um modelo BIM. O Solibri contém uma biblioteca de 43 regras comuns e mais 5 de acessibilidade. Cada uma dessas regras cumpre determinada função, podendo ser entendida como um “operador”. A combinação dessas regras deve responder ao requisito do programa, para isso a fase 1, de interpretação e estruturação das regras é fundamental para se obter a lógica para a aplicação.

Da mesma forma, a fase 2, “preparação do modelo BIM”, é indispensável, pois, por exemplo, os espaços no modelo devem atender à nomenclatura que está preparada no Solibri. Notem que as nomenclaturas devem ser idênticas, caso você tenha nomeado o espaço como “dormitório de casal” em seu software de modelagem, esse mesmo nome deve ser dado na classificação de espaços do Solibri. Recomendamos que a nomenclatura seja padronizada atendendo a norma BIM constante na Tabela de Espaços por Função das omniclass.

A padronização da nomenclatura de espaços e objetos é fundamental pois permite o reaproveitamento das regras criadas no Solibri para projetos da mesma natureza, resultando em verificações bastante eficazes.

Regras que foram verificadas no Solibri

Após a leitura dos requisitos foram feitas adequações para a reprodução dos mesmos no Solibri, conforme figura abaixo.

Minha casa minha vida

Resultados dos testes no Solibri

Após a carga do modelo BIM no formato IFC, o Solibri efetuou os testes conforme exemplo abaixo.

Problema: A largura mínima da cozinha deve ser de 1,80m, nesse caso a largura está com 1,60m

Solibri

Problema: A área mínima da unidade deve ser 41 m2. A unidade analisada está com 37,5 m2

Solibri

Problema: Espaço livre de obstáculos em frente às portas de no mínimo 1,20 m. As portas detectadas tem obstáculos com menor distância do que 1,20 m.

O relatório completo dos problemas detectados pode ser visto nos pdfs abaixo.

MCMV - relatório de não conformidades

relatorio resumido mcmv

Quer conhecer melhor esses serviços?

A Coordenar oferece esses serviços de duas maneiras:

  1. Para usuários do Solibri > venda do pset
  2. Para não usuários do Solibri > modelagem do apto e realização dos testes

Solicite um orçamento!

 

 

 

Carregar mais artigos relacionados
Load More In Artigos
Comments are closed.

Leia também

Os sete Pecados Capitais de um Diretor de Construção na gestão de projetos

Autor: Eng. Luiz Henrique Ceotto (Partner at Tecnoenge Consulting) É na fase de projeto qu…